Moraes ameaça multar Veja, CNN e Globo para obter entrevista de Do Val e depois desiste

Quer se manter informado, ter acesso a mais de 60 colunistas e reportagens exclusivas?Assine o Estadão aqui!

BRASÍLIA – O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), ameaçou cobrar multa de R$ 100 mil da revista Veja e das emissoras CNN e da Globonews caso não entreguem, no prazo de cinco dias, cópias de todas as entrevistas concedidas nos últimos dias pelo senador Marcos do Val (Podemos-ES). Depois de assinar o despacho, Moraes fez uma segunda versão retirando a multa.

A cobrança estava registrada no ofício em que o magistrado pediu abertura de inquérito para apurar a conduta do parlamentar que nos últimos dois dias divulgou versões divergentes sobre um plano do ex-presidente Jair Bolsonaro para impedir a posse do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. No mesmo oficio, Moraes pediu que a Meta, dona do Instagram, também envie ao STF cópia de live feita pelo senador na quinta-feira, 2.

Nessa transmissão por rede social, Do Val disse que tinha sido coagido por Bolsonaro a participar do plano para gravar Moraes, obter dele uma declaração que pudesse comprometer o magistrado e servir para anular o processo eleitoral. Alexandre Moraes é presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

No despacho, o ministro determina abertura de inquérito para apurar os crimes de denunciação caluniosa, falso testemunho e coação no curso do processo. A decisão de Moraes foi assinada depois que o senador Marcos do Val espalhou inúmeras versões sobre o plano de golpe e aproveitou para dizer que o ministro sabia das conversas que ele vinha mantendo com Bolsonaro. Moraes confirmou ter sido informado pelo senador de um encontro que ele teve com o ex-presidente em dezembro e disse que cobrou do parlamentar que formalizasse a denúncia, mas ele se recusou a fazê-lo.

Do Val alegou que não recebeu esse pedido e passou a defender publicamente uma das principais pautas dos bolsonaristas: afastar Alexandre de Moraes das investigações sobre atos golpistas.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *